Artemis no Evento Brasileiras

"Vivemos atrás de uma cortina de fumaça, que acha que o momento da maternidade é uma coisa gloriosa, plácida, cheia de felicidade. De uma forma geral a vida e a prática nos vem mostrando o contrário. Nós mulheres já estamos em um lugar considerado menor, com menos direitos e menos possibilidades. Se essa mulher tem um filho, ela desce mais ainda na pirâmide. E isso vai se juntando com outros fatores como cor, raça e classe."


À convite do jornal El País, a Artemis esteve no Evento Brasileiras - que se propôs a discutir o papel das mulheres nos novos rumos políticos e econômicos do Brasil. No painel Maternidade e Trabalho pudemos debater, ao lado de Manuela D'Avila e Ana Laura Castro da Rede Maternativa alguns mitos que cercam o empreendedorismo materno além dos obstáculos mais comuns para a mãe trabalhadora.






“Muitas mulheres são mães e na prática são expulsas do mercado de trabalho por terem se tornado mães”, diz D’ávila, que se viu no centro de uma polêmica quando amamentou a filha no plenário do Congresso. A amamentação em público ainda enfrenta um tabu no Brasil, onde 20 milhões de homens se dizem incomodados quando uma mãe decide atender ao filho que deseja mamar onde estiver. “Sou branca, estou no topo da pirâmide e sou política, quem sou eu para falar sobre maternidade. Porém, se eu, deputada, amamento em cima da privada no Congresso, onde amamenta a caixa do supermercado. Se eu, deputada, escuto que amamento para me exibir, qual a realidade de uma mulher negra no ponto de ônibus”, questionou


Confira um trecho do debate:

O evento ocorreu em 10/12/2016 - veja a matéria completa no site do El Pais



#maternidadeetrabalho #violênciaobtétrica